Olhar Imparcial




Narcisos

Narciso às avessas
Me vejo de dentro para fora,
Me vejo com a lucidez da alma,
Me vejo nas vitrines das lojas, nada me interessa...
Me vejo no brilhos dos objetos, só quero solidão.

Me vejo nas poças d’água pelas ruas esburacadas
Me vejo e não me afogo de tanto me olhar,
Me vejo e me espanto com tanta feiura,
Mas pretendo continuar me olhando
Até que essa imparcialidade me faça bonito por dentro.
Me vejo no outro, o outro é um espelho que me reflete,
Me vejo no outro e sei que sou eu.

Me vejo refletido nesse tempo.
Narcisistas por todos os cantos
Em seus individualismos se apaixonam por si mesmos,
Pelas ilusões e as miragens de si mesmos e se afogam
Dentro de seus entorpecimentos.

Eu me olho, olho o outro,
Vejo o mundo com a mesma imparcialidade;
Se quiser bajulações procure em outro lugar,
Somos imparciais...
Não espere muito,
Nossa poesia nasce desse olhar imparcial para dentro...

 O gato veio das ruas e se roçar em minhas pernas.
Esse gato vagabundo, desapegado e livre
Tem um pouco de mim em outros tempos...
Agora tenho outras lições para aprender,
Mas como gostaria de ser, novamente,
Igual a esse gato.

Salomão Alcantra
J.Nunez






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pé de frango contém colágeno

As características da sociedade contemporânea na Era da Informação

POEMA PARA O DIA DAS MÃES DE MARIDO PARA ESPOSA