Postagens

Mostrando postagens de Abril 20, 2014

No auge de sexualidade moderna.

Patriarcas modernos
Casamento gay a três, Matriarca gay Patriarca gay Contemporâneo.
Imitação dos patriarcas bíblicos, Porém com uma pequena diferença, Sem filhos nascidos Dessas relações sexuais.
Filhos nascidos De aluguel de sexos.
Albano Morais
J.Nunez

Sociedade concebida sem pecado

O Fim do Pecado
Fim do pecado, Fim da lei de Deus, Fim dos parâmetros, Fim da lei dos homens, Fim do caos; O caos agora é a ordem e a estrutura. 
Matar é o único pecado, por enquanto. Luxuria e adultério não é pecado nem crime, Aplaudimos as traições entre as celebridades.   Dignificado seja toda forma de sexo e pecado.
Nada mais é pecado; Primeiro escondemos as intensões sexuais Atrás da palavra amor, agora podemos relevar Que é sexo pelo sexo, Prazer pelo prazer, Adultério pelo sexo.
Com a palavra amor santificamos, Nivelamos e dignificamos tudo... A nossa tão propagada diversidade Resultou em diversidade sexual.
Nossa motivação na Sociedade do Prazer É o prazer pelo prazer e a diversão qualquer custo. Albano Morais
J.Nunez

Teoria do Imparcialismo.

Imagem

O salário do pecado é a morte

Imagem
Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor Romanos 6:23


A Morte Em sonho recebi notícia de minha morte. A morte é a grande ceifadora da vida,  Que cobra os frutos.  A morte é a grande colheita da vida. 
A morte está presente na vida Com o renascimento e a ressurreição.
A  morte está no meu coração. A todo o momento ando de mão Dada com a morte.
A morte é meu cachorro guia, Minha mais fiel companheira de estrada. A morte é minha garantia de vida e de morte.
A morte é lenta e continua, O renascimento depois da morte é lento e continuo,

Maldade Atemporal

A maldade no homem é atemporal, mas pensamos que somos melhores. Se estivermos vivos daqui a cem anos saberemos que o nosso tempo é o mais cruel de todos os tempos, no entanto pensamos que somos melhores, não podemos ver debaixo do chão que pisamos.  

José Nunes Pereira