Postagens

Mostrando postagens de Julho 8, 2012

Poesias contemporânea

Imagem
A poesia Imparcialista é a poesia e a literatura Imparcialista para a leitura do contemporâneo é escrita pelo poeta José Nunes Pereira e seus 16 poetas Imparcialistas que formam o Movimento Literário.



BLOG                                                                              Símbolo



José Nunes Pereira

Alienação sexual da sociedade contemporânea

Alienação sexual
Tempo da desinformação da informação Provocado pelo sexo em tudo: Bunda da “artista” no reality show, Câmeras filmando peitos, músculos, cofrinhos, Calcinha ou falta dela a mostra, Movimentos sexuais, banhos, Homens depilados e musculosos mais superficiais e usáveis Que qualquer garota de programa, Show sensual e flagra forjado... As mídias são podem cobrir ao mesmo tempo a catástrofe   De todas as bases da sociedade contemporânea E o entretenimento sexual que aliena a sociedade do prazer; Melhor cobrir a alienação, a sociedade não verá outra coisa Nesse estado de embriagues sexual.
Salomão Alcantra J.Nunez

Ambientalismo, entretenimentos, prazeres, trabalho, consumismo, capitalismo e colapsos

Colapsos
A sociedade do consumo e dos gastos com entretenimento e prazer Não está disposta a trabalhar ou sacrifica-se com tanto entretenimento E produtos para serem comprados e consumidos.
A sociedade do consumo e do entretimento, É a sociedade cartão de crédito, É a sociedade que compra sem dinheiro E sem capital como garantia de pagamento.
A sociedade do entretenimento está à beira do colapso ambiental Provocado pela destruição do planeta que sustenta o sistema capitalista, Está à beira do colapso cultural provocado pela cultura de consumo Está à beira do colapso econômico provocado pelo próprio sistema econômico, Está à beira de um colapso social com tanta violência e bestialidades Provocada pelas liberdades, teorizações, desvalorizações e deformações Na sociedade contemporânea, com um único intuito, Alimentar um sistema consumista que se sustenta De criações de mercados consumidores e produtos.
Octávio Guerra J.Nunez

Artistas, celebridades e arte contemporânea.

Artistas e reality show
Arte abstrata e sem relação com o mundo real, Arte extremamente abstrata,  Que é reflexo (e não leitura) Do virtualismo de nosso tempo.
O virtualismo que é o extremo do abstrato.
Música sem engajamento, Música que é reflexo da desvalorização do ser humano Que deságua na música de conotação sexual,  Imbecilidade e materialismo...
Tempo de bunda e seios artistas, Tempo de bunda celebridade, Tempo de reality show Ou confraternização de artistas fracassados.
Salomão Alcantra J.Nunez

Virtualismo e sociedade contemporânea

O Virtualismo
Sexo virtual, Zona virtual, Fazenda, galinha e gado virtuais, Cidade virtual, gente que não existe virtual, Mansão, casa, parque virtual, Policiais e bandidos virtuais, Lutas virtuais, jogos virtuais, Piscina, montanha e rio virtual Sete pecados virtuais, Venda, compra e negócios virtuais,  Poetas virtuais... O virtualismo engoliu o mundo material Estamos vivendo o ápice do mundo abstrato, Engolidos pelo mundo online   Estamos perdendo a consciência do mundo real... Estamos trocando o humanismo pelo virtualismo
Octávio Guerra J.Nunez

O TRABALHO E A QUALIDADE DE VIDA

O trabalho e produção contemporânea
O trabalho, as metas e o consumo capitalista contemporânea Se disfarça de bem estar, felicidade, saúde e qualidade de vida; Tudo para atingir seu único e mesmo propósito: Metas de Consumo, produção e venda... O trabalho, a produção e a ilusão capitalista Se dignifica com a teoria de ilusão de qualidade de vida.
A sociedade contemporânea desiludiu Com o trabalho e a produção do capitalismo tradicional; É necessário que o capitalismo crie outras ilusões Para lograr a sociedade contemporânea.
O marketing rouba o lugar E dá a si mesmo uma roupagem de religião, Metas, lição de vida, felicidade, Guru, valores e virtudes humanas, Bem estar, razão de ser, modo de viver, Filosofia, facilidade, imediatismo, não altruísmo... E assim criamos os ídolos de nosso tempo.
Octávio Guerra J.Nunez

Sociedade e mercado contemporâneo...

Sociedade às avessas
O cartão de crédito e os produtos eletrônicos E outras bugigangas chinesas democratizaram O acesso aos produtos eletrônicos, E globalizou o mercado de produtos de 1,99.
Os produtos eletrônicos E suas funções de gravar, copiar, reproduzir e colar Trouxe o acesso gratuito e fácil Aos produtos de entretenimentos e faliu parte dessa indústria; Até mesmo à indústria pornografia se tornou vítima Do sexo fácil e cibernético, do puteiro online.
As inclusões, os direitos, os prazeres E as liberdades são às avessas... Essa é a sociedade às avessas, Homens e mulheres às avessas.
Salomão Alcantra J.Nunez

A Função da Poesia

A função da poesia
A função da poesia É revelar o homem a si mesmo, É fazê-lo fechar os olhos Se não quiser olhar para si mesmo Com toda a crueldade da imparcialidade do realismo, Revelados pela poesia.
A função da poesia É mapear a alma, descer aos infernos, Subir aos céus Como a poesia de Dante Alighieri.
A função da poesia É revelar o caminho, É afrontar seu tempo, É refletir o mundo Consciente de si como um espelho mágico.
A poesia tem seus momentos de descontração, De sutileza, alegria, fúria,  amor,  Elegância, crueldade, beleza, engano, Cerimônias, romantismo, frieza, delicadeza, Imparcialidade, assombro, profecia, Revelação, mistério e segredo, Contudo, seu propósito é revelar o homem a si mesmo. A poesia é o caminho da alma.
Os críticos podem dizer que essa nunca foi a função da poesia; Não importa, essa é a função da poesia Imparcialista. Minha razão de escrever é a própria função da poesia, Que outro motivo eu teria?
José Nunes Pereira