Pesquisar este blog

MOVIMENTO IMPARCIALISTA

MOVIMENTO IMPARCIALISTA
IMPARCIALISMO

sábado, 7 de abril de 2012

Governo investe em ensino técnico que ninguém quer...Geração estética, assistencialismo, sexo fácil, vícios, liberdades e prazeres...




Geração estética, assistencialismo, sexo fácil, vícios, liberdades e prazeres...

Governo investe em ensino técnico que ninguém quer...
A geração do entretenimento,
Da sexualidade confundida pelas liberdades,
Pelos prazeres, pela formação de mercado e vícios,
A geração metrossexual, a geração de mulheres
Que são imitações de homens degenerados,
A geração homem que é fruto da criação do mercado de estética;
 Metrossexual que faz a unha, se depila todo,
Usa creminhos, faz sobrancelhas e cirurgias estéticas.
 Esse tipo de homem não vai querer trabalho
Que suja suas unhas e que seja pesado.
Imagine um homem desses trabalhando de carregador em um porto!

Latinos americanos falantes de língua espanhola vindo para o Brasil
Para trabalhar em qualquer emprego...
Que brasileiro que vive da assistência do governo não quer trabalhar.

Estrangeiros competitivos e capacitados vindo para o Brasil
Para trabalhar nas áreas onde não temos competência...
Porque não formamos um país “educado”
Temos a educação de alunos brincando com celulares,
A educação de pedagogia do amor,
Do não sacrifício, pedagogia do entretenimento,
Pedagogia da deformação da escola, do professor, da sociedade e dos indivíduos,
Com suas teorias de realidades do aluno que obriga
A educação a se desestruturar para se adaptar aos alunos
Que vão para a escola para comer e buscar bolsa família.

Os piores alunos assumem sem um pingo de vergonha
Que vão à escola por causa da bolsa família, da merenda
E para se divertir com os colegas de escola
Enquanto o professor sem autoridade fala para ninguém...

Não é desse tipo de aluno que o país precisa!
Alunos desse tipo que chegam ao ensino médio sem tirar o caderno da bolsa
Não deveria estar nas escolas, deveriam estar no mercado de trabalho
Desde os catorze anos, como foi a geração que hoje está com a idade
Entre os trinta e quarenta anos.

Salomão Alcantra
J.Nunez


Ensino técnico: desinteresse maior no Rio

Por Mário Boechat - mario.boechat@folhadirigida.com.br

Os estudantes do Rio de Janeiro são os menos interessados em frequentar um curso profissionalizante. É o que aponta o estudo As Razões da Educação Profissional: Olhar da Demanda, elaborado pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (CPS/FGV), juntamente com o Senai. A pesquisa avalia os vários percalços existentes desde a decisão de fazer cursos de educação profissional até a sua aceitação no mercado de trabalho, passando pela possibilidade de desistência do curso.

O desinteresse é o principal motivo para não frequentar um curso técnico no Rio de Janeiro, em diferentes faixas etárias. Entre os jovens com dez anos ou mais, são 82,19% que afirmaram ser essa a sua motivação para a indiferença quanto à área técnica, enquanto a falta de recursos afeta apenas 6,66%. Outros indicadores também refletem essa situação do estado fluminense. Apenas 2,61% dos estudantes sentem carência de escolas com curso de educação profissional em sua região e apenas 1,19% apontaram que não encontrar o curso desejado. 

Quando são avaliados os motivos para jovens de 15 a 29 não frequentarem um curso profissionalizante, o Rio de Janeiro ocupa a primeira posição nacional novamente no que tange ao desinteresse de sua população nessa faixa de idade, com 76,82%. A falta de subsídios é apresentado por apenas 9,62%; a escassez de vagas na região é apontada por 1,20% dos entrevistados; a falta do curso por somente 2,02. 

Dos rankings apresentados pelo estudo, o único em que o Estado do Rio não lidera o ranking de desinteresse dos jovens por educação profissional é o relativo aos que possuem até sete anos de estudos, também entre 15 e 29 anos. No entanto, a diferença para o primeiro colocado é pequena: Paraíba (77,69%), Acre (76,78%) e Rio de Janeiro (72,60%).

Entre aqueles com mais de sete anos de estudos, o estado do Rio de Janeiro volta a ser o destaque negativo, mais uma vez liderando o ranking, com 78,25% dos seus jovens não participando de um curso profissionalizante por desinteresse. Em contrapartida, 9,17% não têm condições de pagar um curso, sendo o segundo menos votado, atrás somente do Acre (7,27%).

"Os brasileiros ainda têm um preconceito com o ensino técnico. Contudo, isso está mudando. Houve um grande salto. Mais de 80% da população com idade ativa já fez algum curso profissionalizante. O desinteresse também vem diminuindo. O fato é que há uma onda jovem em busca dessas carreiras", explica o coordenador da pesquisa, Marcelo Neri, da FGV.

Apesar desses indicadores negativos, o Rio de Janeiro encontra-se na quarta posição no país no que diz respeito à taxa de atendimento de educação profissional, com 7,78%, na faixa etária de 15 a 29 anos. O percentual fica abaixo dos estados de São Paulo (8,49%), Amapá (8,34%) e Rio Grande do Sul (8,12%). Para quem tem dez anos ou mais, a situação é um pouco mais crítica, pois o atendimento é para apenas 3,96%, ficando na 11ª posição.



http://www.folhadirigida.com.br/fd/Satellite/educacao/noticiario/Ensino-tecnico-desinteresse-maior-no-Rio-2000005547913

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

O Imparcialismo: O Ciclo de Saturno

O Imparcialismo que começou a ser escrito em 2006 E  revelado em 2008. Foi à leitura do fim de um período, Iniciado pós-guerras, tempos...

O Novo Contexto Para a Literatura Contemporânea

MOVIMENTO IMPARCIALISTA