Postagens

Mostrando postagens de Maio 22, 2011

Artigos Imparcialistas: CIDADE DE MARÍLIA E LITERATURA IMPARCIALISTA

Artigos Imparcialistas: CIDADE DE MARÍLIA E LITERATURA IMPARCIALISTA: "CIDADE DE MARÍLIA Divulgue acessando: http://literaturaimparcialista.blogspot.com "

LITERATURA FACEBOOK

Imagem
CIDADE DE MARÍLIA Jose Nunes Pereira POETA E PROFESSORMora em Marília nasceu em Pérola Do Oeste, Parana, BrazilNasceu em 8 de maio de 1975.
Divulgue acessando:
http://literaturaimparcialista.blogspot.com


CIDADE DE MARÍLIA E LITERATURA IMPARCIALISTA

Professor não pode comer....

Aos mestres com muito carinho...

A polícia chegou à escola
Arrombando tudo,
E pegou os professores em flagrante
Comendo a comida dos alunos...

Minha mãe dizia:
_Quem não trabalha não come!
Professor quebra essa regra;
Trabalha e não come!
E ai dele se comer a comida servida na escola.

Salomão Alcantra
J.Nunez

A poesia imparcialista de engajamento social

Humano pós-moderno


A criança pós-moderna
Quando está aprendendo a fazer cocô
Personifica suas fezes quando diz:
_ Tchau cocô! Enquanto dá descarga.
A sociedade já coisificou o ser humano
Quando o ser humano competia com produtos,
Agora o ser humano está muito abaixo da coisa
E estamos tratando os produtos
Com algo que substitui o ser humano
E toma o seu lugar e o lugar que antes era ocupado
Pela nobreza de sermos humanos
Com todas as virtudes, ideais e valores ser....
Observe os anúncios na TV.
A máquina não roupou o lugar do homem,
Más os produtos sim,
Esses roubaram o lugar do ser humano
No coração do ser humano.

Salomão Alcantra
J.Nunez

A sociedade contemporânea na literatura

A sociedade contemporânea na literatura Imparcialista

A sociedade do prazer está desmanchando
Feito carne de cadáver pobre,
Tudo sendo desfeito pela sociedade do prazer,
Todos os valores estão sendo dissolvido
Pela guerra dos sexos
E essa guerra não é mais entre homem e mulher,
Agora essa guerra possui uma sigla LGBTTTs
A sociedade está entruturada em torno
Do capitalismo do consumismo e da produção de produtos
Para satisfazer a sociedade do prazer,
Porém a condição humana, a nobreza de sermos humanos,
Os valores que nos guiou até o momento
Estão apobrecendo feito carne morta,
Tudo em nome do prazer sexual,
Do capitalismo e da criação de mercados .

Octávio Gerra
J.Nunez





Literatura ´contemporânea e temáticas imparcialistas

Asneiras


Talvez o teor alcoólico deste vinho branco
Me Faça dizer tolices românticas
Nesse tempo de sexo fácil,
Aquelas bobagens de buscar estrelas
E navegar os mares por você.
Quem ainda diz tolices assim
Não sabe o que é o amor
Ou o que de fato é isso que chamamos de amor.
Talvez este Cristianismo impregnado na alma
Me faça acreditar que depois da confissão
De meus pecados eu não volte mais a pecar,
Igual a um dependente químico
Que sempre cai na ilusão de estar livre.
Eu não vou dizer tolices românticas
Amanhã teremos outra lua
E sopraram outros ventos
E certamente sentirei outras sensações, outros sentimentos
E também mudara meus pensamentos.
Talvez este Cristianismo impregnado na alma
O teor alcoólico deste vinho branco
Ou ainda esse planeta do amor no signo Gêmeo
Me faça dizer asneira e promessas
Que não posso sustentar mais que por uma noite.
Quando amanhece são outros ares
E outro dia se configura de outra maneira
E certamente serão incoerentes as minhas promessas vazias.