Pesquisar este blog

MOVIMENTO IMPARCIALISTA

MOVIMENTO IMPARCIALISTA
IMPARCIALISMO

terça-feira, 15 de junho de 2010

Industrialização, capitalismo e consumo

o capitalismo é cínico e pouco se importa com as ideologias,


A mulher não é somente livre economicamente e socialmente, ela é muito mais que isso, é inteligente, participativa, filosofa, poeta e pensam uma nova sociedade. Essa mulher evoluída em todo os sentidos e também degenerada em todos os sentidos, incomoda o sexo masculino e o deixa insegura para se relacionar com essa mulher, seja socialmente, seja intimamente. Essa mulher que pensa e participa conscientemente da sociedade são muito atraentes para os homens que amam a cultura o intelecto e a inteligência.
A liberdade dessa mulher só não e mais digna porque é espelhada na liberdade do homem que chama de liberdade de seus instintos mais baixos, seus vícios e suas depravações sexuais, quando a liberdade parte de uma alma livre de sua própria inconsciência.
Essa liberdade com base em nossas índoles negativas e deficiências morais e éticas são daninhas para a existência do sexo masculino, e mais nociva ainda para o sexo feminino que deseja a descaracterização de si mesmo, quando na verdade sua condição biológica e psicológica indica que são elas sublimes e portadoras da luz. Sinceramente acredito na liberdade da mulher, mas em uma liberdade a maneira feminina de liberdade, e não em uma liberdade finda de inveja e cobiça da liberdade masculina que nada mais é que degeneração do corpo da alma, que nada mais é que uma autodestruição com sexo depravado, vícios desenfreados e vida desregrada.
A felicidade, a liberdade masculina e feminina deve dar a ambos os sexos um final feliz, não é o que vemos nessa liberdade com base em nossa estupidez internas, seja psicológicas, seja de alma. A liberdade deve ter sua base na vida regrada, equilibrada, seja do corpo, da alma, da conduta e dos costumes. Liberdade com base em nossas virtudes garante nos uma vida inteira feliz. Para comprovar o que digo basta lembrarmos dos jovens dos anos sessenta, se tais jovens continuassem naquele ritmo louco de vida (viva intensamente) o que seriam hoje, se que viveriam tanto tempo. A filosofia da minha liberdade segue o principio: Devagar se vai muito mias longe, quando se viver intensamente, se vive menos, porque se desgasta logo.
Para que eu estou falando, será que estou falando para uma geração que não virá porque o fim esta a nossas portas será, que estou falando para uma geração que vou educada para o consumo no natal e no ano novo, uma geração que tem possui valores que não seja comercial e consumista que são valores universais.
Será que estou falando para uma sociedade em que até mesmo o padre é um objeto moldado pela máquina do consumo e do comercio, será que estou falando para uma grupo social que nem se quer é contato, devido ao tempo em que esse grupo esta desempregado, se eles não aparecem nas estatísticas podemos dizer que o país vai muito bem, será que estou falando para uma geração que lê mal e escreve pior, uma geração que daqui a pouca tempo será contata nas estatísticas com homens letrados e alfabetizados, porque concluíram o segundo grau, motivados pela bolsa família, essa geração não é capaz de participar da sociedade e pensa-la. Essa é a geração formada para consumir, consumir e consumir...Essa é a geração resultante da industrialização e do consumo, essa é a geração que não possui valores religiosos, familiares e sociais, o consumo tomou o lugar de tudo. Observe as propagandas na TV, observe que a cerveja não é só um liquido que deixa bêbado, elas são os valores humanos de coragem, vontade e luta, observe que o refrigerante, não é só um líquido, ele é juventude, alegria e liberdade. O produto de consumo é o nosso padre, os nossos pais, nossa mães, nossa filosofia, nossa família, é tudo que precisamos para viver em uma sociedade que está perdendo a alma e possuído em seu lugar o hábito inconsciente, uma conduta robótica de consumir e por conseqüência se auto destruir. A auto destruição de nos mesmo não só vem do fato de consumirmos absurdamente, isso é na verdade é muito pior, porque a nosso auto destruição também esta relacionada com o aniquilamento, através cultura do capitalismo, das virtudes e dos valores humanos. A destruição de nossos valores nobres nos impossibilita de contribuirmos uma sociedade em que o homem e sua própria condição de ser humano com alma, coração e virtudes seja a base da sociedade.
As virtudes humanas e a alma humana sempre foi a salvação do homem, seja ela individualmente, seja ela coletivamente. Observe os desenhos na TV ele alguns deles já estão representando essa geração que não possui respeito por nada, nem por professores, pais, avos, idosos, desconhecidos etc, essa geração foram criadas para consumir, não para possuir virtudes, moral, ética. Essa geração não possui limites porque perderam a ligação com o distanciamento culturalmente e pelas perdas de valores humanos que a industrialização, o consumo e o avanço tecnológicos trouxeram. A família foi objeto nas mãos no capitalismo no começo da industrialização, foi criada ao seu modo, e de maneira mais favorável ao consumo, família padronizada pelo sonho americano. Essa mesma industrialização que estruturou a família a sua a maneira, a levou de maneira inconsciente a sua destruição, porque proporcionou a mulher à liberdade social e econômica, a mulher passou buscar sua liberdade espelhada na degeneração do homem, ou de maneira positiva, buscam sua liberdade usando suas virtudes intelectuais e criativas. O maior exemplo da liberdade feminina imita a liberdade masculina que é quase sempre depravação, sexual são os clubes das mulheres, e as bebedeiras das mulheres. Não é uma critica ao comportamento das mulheres é uma constatação da realidade.
O capitalismo e a industrialização estão se moldando a nossa auto destruição com seres humanos nos vêem como novas possibilidades de grupo de consumo, o capitalismo criou o público gay, o padre lindo e malhado e vaidoso bem diferente dos santos da igreja católica, o público evangélico, o sincretismo religioso que amplia o mercado consumidor, eu aconselho que a igreja católica lentamente a Mãe de Deus para que possa ser igual às igrejas evangélicas, que é uma herança da inquisição, para que aumente ainda mais o público consumidor. Há muitos evangélicos consumindo os livros e os CDS dos padres católicos, cantores que não sabemos de que público pertencem se católicos se evangélicos. Se acaso chamarem isso de sincretismo religioso eu direi que é apenas uma criação de um enorme público consumidor. O capitalismo não terá um fim porque ele não possui outra ideologia que não seja criar públicos e produtos para serem consumidos, o capitalismo é cínico e pouco se importa com as ideologias, ele apenas se molda a elas para que sejam favoráveis ao seu propósitos, o capitalismo moldou até Jesus cristo. Essas declarações me levam a acreditar que o capitalismo não terá um fim, a não ser que ele destrua o ser humano e o planeta como está fazendo. O modernismo também não terá um fim, enquanto ele estiver relacionado apenas com o progresso tecnológico.
O Capitalismo se molda as condições humanas, portanto não terá um fim. Se nos tornarmos vegetarianos a indústria se adaptara a nova realidade do mercado, se nos tornarmos budistas ou mulçumanos a industria se adaptará a nova realidade socioeconômica.
J.Nunez

O IMPARCIALISMO

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Fique por perto!

Volte logo, Não demore muito, Fique por perto! Eu te esperarei dentro e fora do tempo. Sua alma é nobre, Fique no sangue do meu sangu...

O Novo Contexto Para a Literatura Contemporânea

MOVIMENTO IMPARCIALISTA